quarta-feira, 26 de julho de 2017

ELES NÃO USAM BLACK-TIE, Gianfrancesco Guarnieri (Resenha e Resumo)


ELES NÃO USAM BLACK-TIE
Por Gianfrancesco Guarnieri
Peça em 3 Atos e 6 quadros;
30ª edição, 108 páginas;
 pela EDITORA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
Grande marco do “teatro novo brasileiro”.

Embora o texto tenha sido escrito em 1955, e encenada pela primeira vez em fevereiro de 1958 (no Teatro Arena de São Paulo), certamente ainda é atual. Com temática urbana brasileira, o conflito de classes e o antagonismo do conflito de gerações entre pai e filho, marcado pelo coletivismo e o individualismo, amor e trabalho, Eles Não Usam Black-tie externa toda uma problemática humana e social.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Resenha e resumo do livro A fabrica de vespas -

"certa vez, amarrei uma vespa em cada um dos sininhos de cobre, para que o martelinho batesse nelas de manhã, ao soar o alarme. " Pág. 34
Fabrica de Vespas:
▶Titulo original: The Wasp Factory
▶ Pág: 240
▶Autor: Iain Banks
▶ Ano: 1984
▶Editora: Darkside
▶ Primeira pessoa do singular

domingo, 21 de maio de 2017

CARMILLA, J. Sheridan Le Fanu

Capa da edição digital pela Amazon Kindle

"Demorou muito para que o terror dos eventos recentes se desvanecesse; e até este momento lembro-me da imagem de Carmilla com variações ambíguas - às vezes, a garota brincalhona, lânguida, linda; às vezes, o demônio contorcido que vi na igreja arruinada; e com frequência sou despertada de um devaneio, acredito ter ouvido o passo leve de Carmilla à porta da sala de vestir",

Sobre o livro:
Publicada originalmente por  Joseph Thomas Sheridan Le Fanu (28 de agosto de 1814 - 7 de fevereiro de 1873) entre os anos de 1871-72, em capítulos na revista  Dark Blue, é um conto curto, sendo considerado um dos mais importantes do gênero de Terror na literatura da era vitoriana. Influenciou romances como Drácula, de Bram Stocker (Leia nossa resenha de "Dracula"), por ter sido lançada vinte e cinco anos antes do best-seller .

terça-feira, 16 de maio de 2017

Um breve comentário do Livro O labirinto - Jim Helson e A.C.H Smith


Curiosidade sobre os autores:


James Maury, mais conhecido pelo nome de Jim Henson. O cartunista, músico, roteirista, designer e diretor sabia acessar como ninguém o coração das pessoas e o seu maior dom foi dar vida a seres inanimados, sim ele criou a inesquecível Família Dinossauro. Além deste, Henson também criou fábulas como Labirinto, em parceria com George Lucas, filme que encantou toda uma geração quando foi lançado, há 30 anos, com David Bowie como Jareth, o Rei dos Duendes, e também responsável pela trilha sonora, e uma jovem Jennifer Connelly no papel de Sarah, a protagonista que deseja que os duendes levem Toby, seu meio irmão e – para seu espanto – é atendida. Arrependida, ela é desafiada pelo Rei dos Duendes a atravessar o sombrio Labirinto, repleto de perigos e seres mágicos. A novelização de Labirinto finalmente é publicada em português, em uma edição à altura do mestre. Escrita por A.C.H. Smith em parceria com Henson, a edição apresenta pela primeira vez as ilustrações dos duendes feitas por Brian Froud, que trabalhou no filme, além de trechos inéditos e nunca vistos com 50 páginas do seu diário, detalhando a concepção inicial de suas ideias para Labirinto, comemorando os 30 anos do filme em grande estilo.



 Pequeno resumo:


Sarah, se sente desprezada e ressentida desejando ter mais atenção aos seu pai e sua madrasta que só lembram de seu meio irmão, o pior de tudo é que ela precisa cuidar dele. A mãe biológica de Sarah é uma atriz de sucesso e para seguir os passos da mãe ela treina sua atuação com falas de um livro chamado: "Labirinto".

"Você pensa que é muito esperta", disse Hoggle. "Sabe por quê? Porque você ainda não aprendeu nada." (p.46)

Certo dia, a madrasta de Sarah por querer sair seu marido incube a menina de cuidar de seu meio irmão e ela fica irritada, porque para ela era uma injustiça. Quando o menino começa a chorar ela o pega no colo e recita uma das falas do livro, para que o rei dos Duendes levar seu irmão embora e transforma-lo num duende.

"Eu desejo que os duendes realmente venham e levem você embora... agora." (p.28)

O que ela não esperava era que seu desejo se realizaria, logo ela se arrepende e fica desesperada ao pensar em seus pais chegando e vendo que seu irmão havia desaparecido. Vendo a relutância de Sarah para que devolvessem seu irmão o rei dos duendes (que no filme é interpretado pelo David Bowie) lhe lança um desafio que consistia em ela atravessar o labirinto e chegar em seu castelo tendo no máximo 13 horas para isso.

Disposta a correr o risco e salvar seu irmão, Sarah enfrenta o perigoso labirinto que muda de posição e  diversas criaturas mandadas pelo rei para desvia-la do caminho certo.

 Resenha:

confesso que senti  como se tivesse lendo uma outra versão de Alice no país das maravilhas, isso não é uma coisa ruim já que eu amo essa história devido seus simbolismos e questões sociológicas entrincheiradas numa história infantil, mas voltando ao livro labirinto, a leitura é bem leve, pois a forma como o escritor passa a história é bem fácil de entender. Os personagens conseguem te cativar... 

Sarah me pareceu um pouco mimada no começo, reclamando sem necessidade, mas vamos levar em conta que é uma criança, porém mais adiante vemos que seu crescimento e amadurecimento vem sendo construido perante a realidade a qual estava presenciando. 


Devo dizer que em minha opinião o livro é um bom passa tempo, não é uma história que tem algo de novo, mas realmente vale a pena ser lido. E vamos bater palmas para a edição da Darkside que como sempre arrasa. (uma das minhas editoras favoritas <3). Podemos nem elogiar muito senão fica mal acostumada. kkk

De 01 a 05 para este livro,

(Minha nota é 4).

quinta-feira, 27 de abril de 2017

A Floresta do Silêncio


Meus ombros ardem. Deixei a moto quebrada no acostamento e decidi seguir a estrada até encontrar um borracheiro. Espero encontrá -lo e que, ao voltar não me depare com um roubo... mas não creio que alguém se interesse por uma moto que não anda.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Ninguém é tão forte assim, afinal! - Desabafando com fantasmas




Durmo nas minhas próprias lágrimas
Sufocando-me, afogando-me
Acordo com as marcas dos problemas em meu rosto
Ainda é madrugada, mas não volto a dormir,
Olho-me no espelho e ele me diz:
"Ninguém te amará se não for bonito"
Desvio o olhar e escrevo em minha lista de compras:
"Um rosto bonito fará as coisas melhores"
Sigo pelo quarto de meus pais e olho a cama deles,
Mas eles não estão lá.
Fazem dois anos que saíram de casa e nunca mais voltaram.
Lembro-me a última vez que os vi
Eu estava de malas prontas, ódio entranhado na garganta e cheio de atitude.
Mas quando voltei todo quebrado e pior de quando sai
Meus pais não estavam em casa
Dois anos que os espero, mas até agora eles não voltaram
Escoro-me na parede e pego uma espada para me guiar,
Luto do meu jeito!
Inesperadamente sinto as balas de prata atingirem meu peito,
Mas eu não caio, ainda!
Não tenho muito a perder.
Queria mostrar aos meus pais o quanto sou forte agora!
Uma poça de sangue se forma em meus pés e eu consigo concluir:
"Ninguém é tão forte assim, afinal!"                       

terça-feira, 18 de abril de 2017

A MENINA SUBMERSA:MEMÓRIAS, Caitlín R. Kiernan




" Este livro é o que é,  o que significa que ele pode não ser o livro que você espera que seja." CAITLÍN R. KIERNAN