domingo, 19 de novembro de 2017

MÃE, EU QUERO UM APOCALIPSE ZUMBI!, Edegar Agostinho


ISBN: 978-85-921256-0-8
1ª Edição
Nova Odessa, São Paulo
Edegar Marmille Agostinho

2016

Edegar Agostinho, é natural de Nova Odessa, São Paulo. Ilustrador e quadrinista, barachel em Artes Visuas pela UNICAMP, o autor também atua como professor e palestrante sobre ilustração e histórias em quadrinhos. Já trabalhou com projetos autorais e publicitários e ilustrações para 
vídeos didáticos. Trabalha com quadrinhos desde 2010 convidado para fazer parte de um corpo de artistas para um portal francês de HQ, Também é autor de Tale Tracker e O Churros Encantado  em parceria com outros artistas.

Nessa divertida HQ, as ilustrações são em preto e branco num estilo que muito lembra mangá. Um olhar humorado sobre a cultura nerd e a imprevisibilidade da trama, tiradas engraçadas e a constante falta de senso de ridículo de alguns personagens, o ritmo  frenético e o uso das “habilidades de sobrevivência para um apocalipse zumbi” que eles acham que possuem por serem conhecedores do assunto como bons nerds, são o que tornam a leitura divertida, e é claro, as ilustrações.

Quatro amigos se reúnem para uma partida de RPG como de costume (muitos zumbis, orcs, magos e até sacis capoeiristas). Murilo, Vinícius, Vitor e Bruno são garotos em idade escolar que como muitos outros nerds sonham com o tão esperado “Apocalipse Zumbi”. Após uma acalorada discussão sobre a atual partida, o jogo acaba e cada um segue para sua casa, seu convívio familiar.
É noite, Bruno se prepara para sair e os outros três ficarão em casa jogando e upando, eis que as coisas esquentam em seus lares e todos dizem a mesma coisa em voz alta, inconscientes das consequências. E como em um feitiço de jogo de RPG, tirando os números errados de um dado, um apagão acontece. “ É O FIM DO MUNDO, VIU!”.
Juntos os amigos irão descobrir que um apocalipse zumbi tem seus bônus e ônus, nada de tiros no meio dos olhos à rodo. Começa a caça a cura, o que os amigos não imaginam é que ela pode estar mais próxima do que se espera.







Um comentário: