sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

MEU ūüíô E OUTROS BURACOS NEGROS, Jasmine Warga

Editora ROCCO

  Como descrever esse livro? Lindo. Simplesmente lindo! E eu n√£o falo da capa com seus detalhes e t√≠tulo aquarelados. Me refiro a hist√≥ria de Aysel e Roman. J√° aviso: O foco desse livro n√£o √© romance!

  Aysel n√£o quer mais viver e esse n√£o √© um drama adolescente,  ali√°s, est√° longe de s√™-lo. √Č muito mais profundo e complexo: Aysel sofre de uma depress√£o profunda, que a faz sentir desejo de suic√≠dio.
  Voc√™ pode pensar: "Como ela tem depress√£o?  Afinal, ela √© jovem, inteligente e com um grande futuro √† frente." Mas n√£o importa o quanto voc√™ enfarize os pontos positivos na vida de uma pessoa que passa por isso. Depress√£o n√£o √© frescura!

  "...Qualquer um que j√° esteve triste de verdade pode dizer que n√£o h√° nada de bonito, liter√°rio ou misterioso na depress√£o". ( p√°g. 22)

  Aysel tem dezesseis anos,  trabalha em uma empresa de telemarketing, est√° no √ļltimo ano e planja seu futuro, quer dizer,  o fim de qualquer fururo que possa ter. Ela ent√£o decide se cadastrar em um site de suic√≠dio,"Passagens Tranquilas", onde entra em contato com Rob√īCongelado (usu√°rio de Roman), ele planeja sua morte para 7 de abril,  h√° um motivo para essa data, mas esse spoiler eu n√£o darei. Era o que ela precisava, aceita.

 E com Roman n√£o √© diferente:
 " ...√Č como se eu estivesse preso em um buraco profundo e n√£o pudesse sair...".(p√°g. 191)

  Por qu√™ Aysel n√£o quer mais viver? N√£o √© simples. Mas tudo come√ßa a desmoronar quando seu pai comente um crime horrendo na loja da fam√≠lia, ele espanca um adolescente at√© a morte. Pelo que ela se lembra da inf√Ęncia ele eventualmente tinha um rompante de agressividade e dizia coisas sem sentido.  Sua fam√≠lia tem origem turca e isso j√° dificultava muito sua viv√™ncia naquela cidade, e ap√≥s o assassinato...
  Por se considerar parecida com o pai
  ( na sua tristeza e gosto musical, por ainda am√°-lo acima do que ele fez) ela sente medo de se tornar como ele, que algo na sua gen√©tica a torne um monstro.  E ela quer destruir a si mesma antes que possa destruir outras pessoas. Aysel n√£o √© como o pai e vai descobrir isso.
  Aysel n√£o consegue ser feliz. Perdeu os amigos, e os poucos que lhe restaram ela os afastou. Se sente deslocada em casa e sente que todos, assim como ela, esperam pelo pior: que ela seja como o pai.

" Aposto que, se cortassem minha barriga,  a grande lesma preta da depress√£o sairia rastejando. Orientadores pedag√≥gicos amam dizer: "Pensamento positivo!", mas √© imposs√≠vel quando se tem essa coisa l√° dentro, sufocando cada cent√≠metro de felicidade que se pode juntar. Meu corpo √© uma m√°quina eficiente para matar pensamentos felizes". (p√°g.48)

Os dias passam, eles se aproximam, 7 de abril se aproxima. Aos poucos e lentamente,  Aysel come√ßa a enxergar o mundo sob outras perspetivas e revalidar sua decis√£o,  ela come√ßa a lutar. Agora ela tem que tentar salvar Roman, como ele a ajudou a se salvar.

  "Arranco o desenho do bloco. N√£o ligo se ele ficar bravo quando descobrir que peguei. Preciso dele. Preciso dele para me lembrar de que posso ser essa garota, de que essa garota est√° dentro de mim. Essa pessoa esperan√ßosa,  forte". (P√°g. 238) 

  "E, desta vez, sinto minha m√£o.  Sinto tudo. E quero continuar sentindo. Mesmo as coisas dolorosas, horrendas,  terr√≠veis.  Porque sentir essas coisas √© o que nos faz saber que estamos vivos". (P√°g.  296) 

  √Č um livro incr√≠vel. Desde o primeiro cap√≠tulo senti uma empatia muito forte com a personagem principal, Aysel, consequentemente por Roman. A hist√≥ria √© narrada em primeira pessoa o que torna tudo mais √≠ntimo. Entendi os fundamentos de ambos e de alguma forma senti a tristeza de cada um. A autora soube falar sobre o tema depress√£o e suic√≠dio sem parecer algo superficial e a empatia que os personagens provocaram ajudaram e muito a compreender o que √© se sentir assim. Uma leitura maravilhosa e indispens√°vel!

  Obs: No final do livro voc√™ encontra,  nas notas da autora, uma sugest√£o de apoio caso precise de ajuda profissional:


Desejo a você que esteja lendo essa resenha, a oportunidade de ter em mãos esse livro, seja emprestado ou seu!

25 coment√°rios:

  1. Ol√°!
    Eu não conhecia este livro e me encantei pela forma que você fala dele. Me encantei e com certeza pretendo lê-lo em breve. Eu amo tudo relacionado a este tema.
    Confesso que a capa nem o título me convenceu, mas sua resenha me conquistou.
    Eu sei como √© dif√≠cil passar ou ter algu√©m na fam√≠lia que sofreu ou sofre dessa doen√ßa maldita. √Č muito triste. √Č pior ainda √© ver pessoas queridas partindo por conta dela.
    Parabéns por nós apresentar este livro.
    Amei tudo em especial estas frases.
    " "...Qualquer um que j√° esteve triste de verdade pode dizer que n√£o h√° nada de bonito, liter√°rio ou misterioso na depress√£o". Realmente n√£o h√° nada de bonito mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico contente que tenha gostado e que a resenha tenha te despertado interesse. Infelizmente é vdd, a depressão atinge quem está a sua volta, e alguns não sabem e não conseguem lidar...se afastam quando a pessoa mais precisa. Mas espero que esse livro abra a mente das pessoas, tanto quem passa por isso quanto quem vivência!

      Excluir
  2. Qualquer um que j√° esteve triste de verdade pode dizer que n√£o h√° nada de bonito, liter√°rio ou misterioso na depress√£o. Realmente, odeio quando romantizam a depress√£o como se fosse algo lindo de se ver e viver. Adorei o livro, a capa, tudo. Parece ser uma verdadeira aula de auto reconhecimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jessica!
      Sim, uma aula de auto conhecimento libertadora ūüíú

      Excluir
  3. Essa foi a melhor resenha que eu j√° vi na vida!
    Amei o jeito que voc√™ passou, inclusive sua arte ūüíú O desenho que tu fez retratando a frase que tu citou ficou perfeito!
    Parab√©ns! ♥️

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! :)
      Acho que essa analogia da "lesma preta" é um das que melhor define a depressão.

      Excluir
  4. Oie, tudo bem? Ainda n√£o conhecia o livro, mas pelo t√≠tulo confesso que achei se tratar de romance, o que voc√™ j√° explicou n√£o ser o caso. Esses assuntos s√£o realmente delicados, o autor precisa ter conhecimento e delicadeza com as palavras para escrever de forma que as pessoas compreendam por√©m sem abrir feridas. Que bom a autora ter conseguido esse feito. Sua resenha ficou √≥tima. Beijos, √Črika ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, td √≥timo ūüėä
      Eu também não conhecia até umas duas semanas atrás, um amigo indicou. Eu sempre tive preconceito c livros desse tema, ou o autor frivolizar demais a depressão com uma obra rasa, ou tornar um "manual" de alguma forma. E embora o romance não seja o foco, o envolvimento dos personagens de certa forma oferece um "suporte" para o que a autora quer passar, mesmo que se algo suave. Não é um grande amor "arrebatador", é mais cumplicidade. :)

      Excluir
    2. O mais importante é que decidem lutar por si mesmos, e não pelo outro.

      Excluir
  5. Ah, o livro parece fantastico <3
    Eu realmente quero ler. Pela tem√°tica, espero que seja t√£o interessante quanto 13 Porques.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim :) Se você gostou de "Os 13 Porquês" há uma grande chance de se surpreender com esse também!

      Excluir
  6. Quero esse livro, rs. Um tema ultra-difícil de se reconhecer e falar mas igualmente necessário de ser abordado. Tomara que seja feito um filme dele, algo que não duvido que aconteça visto que a autora é americana: meio caminho andado para isso, rs.

    Muito bom mesmo, adorei conhecer a história desse book!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tamb√©m acho, Rob. Poderia virar filme, seria perfeito! √Č um assunto delicado mas necess√°rio de se trabalhar...para quem tem preconceito com livros de "auto ajuda" esse livro √© perfeito, te faz entender e respeitar!

      Excluir
  7. Meu Deus, come√ßando pela capa j√° amei! E depois a hist√≥ria?? Amei! Me fez lembrar de um dos √ļltimos livros que li, "Eu estive aqui", de Gayle Forman, talvez pela tem√°tica.
    Para meu desespero, não existe a versão, ainda, em português de Portugal e cá o livro só está disponível em inglês. Nem sei que faça, queria mesmo ler!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bea! Ahhh quero muito ler esse do Gayle Forman, já ouvi falar bem dele. Bom, talvez compartilhando essa resenha e ajudando a tornar esse título mais visível, possa reunir um grupo significativo de pessoas para então pedir a alguma editora do seu país para publicarem uma versão no seu idioma. (Acho que é mais ou menos assim que acontece). Fico feliz que tenha gostado :)

      Excluir
  8. Acabei de sair de um epis√≥dio profundo de depress√£o e pra mim foi muito dif√≠cil sobreviver a este √ļltimo, que n√£o me pertence mais. √Č dif√≠cil reconhecer a doen√ßa publicamente e a terapia ajuda muito, mas tamb√©m h√° muito preconceito e por isso vou ler essa hist√≥ria, porque √© dif√≠cil achar um livro que n√£o trata a depress√£o como um rompante mimado ou s√≥ insatisfa√ß√£o pessoal. Gostei muito da sua resenha. Obrigada pela dica. Bjim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Marizoch, infelizmente o tema é tabu e rodeado de preconceitos. Fico feliz por você, eu é que agradeço seu comentário. Bjs!

      Excluir
  9. Voc√™ escreve muito bem. Parab√©ns! Amei os quotes escolhidos. Uma vez eu ouvi uma pessoa dizer algo sobre a depress√£o muito interessante: "Todas as pessoas que t√™m alguma doen√ßa, lutam para serem curados porque eles querem viver, mas as pessoas que t√™m depress√£o, querem a morte." Isso √© muito forte e verdadeiro. Mas √© importante que se entenda e que se divulgue que a depress√£o √© uma doen√ßa que precisa de tratamento. Ningu√©m se cura de um c√Ęncer, por exemplo, s√≥ com pensamento positivo ou tentando sair com os amigos, mas sim com medicamentos. Entretanto, √© muito comum quando uma pessoa afirma que est√° com depress√£o, ouvir que precisa sair mais, e ser positiva. Embora que, por outro lado, tristeza √© tristeza e depress√£o √© depress√£o e √© muito comum algu√©m estar muito triste e algu√©m j√° ir dizendo que fulano est√° depressivo. √Č necess√°rio informar as pessoas do que √© a depress√£o para que elas possam diferenciar um quadro depressivo de uma tristeza profunda e passageira que pode passar de uma forma mais natural. Enfim! Vou anotar sua dica! Amei o livro e o enredo original que ele trouxe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato! Muitas vezes h√° um julgamento err√īneo sobre tristeza moment√Ęnea e um quadro de depress√£o, por isso √© importante procurar ajuda profissional. Se essa tristeza profunda dura mais de tr√™s semanas (ouvi uma psiquiatria ou psic√≥loga comentar em um programa). Existe muito preconceito em procurar ajuda para cuidar da mente, do emocional, quando devia ser t√£o natural quanto cuidar do corpo!

      Excluir
  10. No segundo parágrafo já queria comentar aqui e ler, com certeza, o livro. Sofro desse mal e vejo o quanto as pessoas ainda não entendem como tudo funciona na depressão. Na verdade, não se quer morrer, o desejo mesmo é de matar a tristeza que há dentro e insiste em persistir ou retornar. "Pensamento positivo" é o que se escuta a todo tempo e digo que: - Não ajuda. O que ajuda mesmo é VER a empatia nas pessoas. Preciso ler esse livro e, graças a sua resenha, está na minha lista de prioridades.

    Bjs

    http://solteiricedemae.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso! A falta de informação é, infelizmente, refletida em quem acha que é só sair e se divertir, só pensar positivo. E não basta tentar pensar positivo, tem que procurar ajuda e informação o quanto mais cedo para o quadro não evoluir para pensamentos suicidas...O primeiro passo e entender que: Depressão é uma doença, não frescura. Bjs :)

      Excluir
    2. Este coment√°rio foi removido pelo autor.

      Excluir
  11. Ao ler as primeiras linhas, já me bateu uma vontade imensa de ler: primeiro pelo assunto abordado que é bem difícil de ser falado na real, segundo porque já imagino como seria um filme deste livro, adoraria que isso acontecesse.
    Depressão é uma doença muito serio, tenho pessoas próximas a mim que sofrem deste mal e eu vejo o quanto é difícil lidar com esse assunto.
    Amei, beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi Eduarda,

    Parabéns pela resenha! Lendo seus comentários me lembrei do livro "Por lugares incríveis"!
    O tema que os dois livros abordam √© bastante tenso, e atual. Acho muito bacana, que possamos conhecer mais a respeito dessa condi√ß√£o e de como pessoas com depress√£o t√™m dificuldade em lidar com situa√ß√Ķes comuns. Esse tipo de livro acaba quebrando v√°rios tabus!

    Até mais! :)

    ResponderExcluir
  13. Oi,
    Gostei muito da sua sugestão de leitura! Só quem tem/teve depressão ou convive com alguém que tem/teve entende um pouquinho do que esta doença faz física e psicologicamente.
    Adicionado à lista de próximas leituras!
    ;)

    ResponderExcluir